Publicado em Deixe um comentário

JavaScript. Seu funcionamento e vantagens!

javascript

Você sabe o que é JavaScript? O objetivo inicial dessa linguagem de programação se concentrava na transformação de processos de páginas web em algo mais agradável e dinâmico para os desenvolvedores.

Com o passar do tempo, sua aplicação atingiu níveis mais profundos de utilização, e, atualmente, é uma das tecnologias mais relevantes presentes na internet. Quer saber mais sobre ela? Então, continue a leitura do artigo que preparamos e conheça suas funcionalidades e benefícios!

O que é JavaScript e como funciona?

O JavaScript é uma linguagem de programação que possibilita a implementação de objetos complexos em páginas web. Conteúdos em páginas que se atualizam constantemente (sites de notícias, por exemplo), informações interativas em gráficos, animações 2D ou 3D, etc. Tudo isso só é possível graças ao JavaScript.

Diferentemente de execuções remotas, feitas em servidores web, O JavaScript é conhecido por rodar programas localmente. Dessa forma, ele se encontra em um formato client server, ou seja, do lado do cliente.

Assim, páginas de internet podem programar, processar e transformar dados, comunicando-se com conteúdos em linguagem HTML. Esse mesmo conteúdo ainda conta com a possibilidade de estilização, devido ao CSS aplicado no processo.

Códigos escritos em JavaScript e executados em um navegador possibilitam atualizações de conteúdos de uma página web sem que essa seja carregada completamente. Isso cria uma grande variedade de softwares completos e que atendem a diversas demandas.

Dessa maneira, websites e aplicações com um nível alto de complexidade podem ser desenvolvidos, além de aplicativos mais simples, voltados a smartphones, por exemplo.

JavaScript e Java NÃO são a mesma coisa!

É comum tomar os termos JavaScript e Java pela mesma coisa. É importante ressaltar, no entanto, que mesmo com nomenclaturas praticamente idênticas, as duas tecnologias são completamente diferentes.

A linguagem de programação Java foi criada pela Sun Microsystems. Já a linguagem JavaScript, antes batizada de LiveScript e Mocha, aproveitou o sucesso do Java para dar força à sua criação.

As duas linguagens, porém, não devem ser confundidas, pois têm objetivos e determinações bem distintas:

  • Java possui tipagem estática, enquanto JavaScript possui tipagem dinâmica;
  • Java conta com sua orientação a objeto baseada em classes, e a linguagem JavaScript é baseada em protótipos,
  • Essencialmente, a linguagem Java é mais utilizada em back-end. JavaScript, por sua vez, é mais aplicada no front-end.

Diferenças entre JavaScript, HTML, CSS e PHP

É possível classificar o desenvolvimento web em quatro diferentes seções: HTML, CSS, JavaScript e PHP. A aplicação do JavaScript na linguagem de programação é a chave para a criação de conteúdos que se atualizam de forma dinâmica.

Com ele, o desenvolvimento pode ser mais ágil, onde também é possível obter o controle de imagens e multimídias. Isso é um grande diferencial, visto que a interação do usuário com a web exige inovações continuamente.

Considerando o user experience (UX), a informação pela informação não basta. Os conteúdos se tornam cada vez mais complexos. Mapas, gráficos, animações, dados atualizados em intervalos determinados, tudo isso o JavaScript atende. Mas e os outros setores do desenvolvimento, o que representam?

  • HTML: trata-se de uma linguagem que dá sentido e estrutura ao conteúdo web. Isso é definido em formulários, parágrafos, inserção de imagens, vídeos e tabelas, por exemplo;
  • CSS: essa linguagem está ligada ao estilo e design, ou seja, à forma como a página se apresenta ao usuário, determinando tipos de fonte, cores, posicionamento das informações, etc,
  • PHP: com a linguagem de programação PHP, extensões de aplicações podem ser desenvolvidas, com todo o processo de desenvolvimento agilizado.

Vantagens em utilizar JavaScript

Entre os benefícios encontrados no emprego do JavaScript on-line e que o fazem ser tão popular, podemos citar a facilidade de seu aprendizado em relação a outras linguagens de programação. Seguindo essa lógica, é compatível com diversas plataformas, frameworks e navegadores.

Erros e divergências no processo de desenvolvimento também podem ser identificados e corrigidos de maneira bem simples. Além desses pontos, outras vantagens observadas com o uso do JavaScript são:

  • Designação de objetos de páginas de internet ou eventos determinados, como cliques personalizados e rolagens de mouse;
  • Validação de entradas de dados sem a necessidade de conferência manual das informações;
  • Dispensa de compilador, uma vez que os navegadores web fazem interpretações com HTML,
  • Rapidez e leveza no carregamento de páginas, possibilitando maior interação e mantendo o usuário presente por mais tempo.

Conclusão

No conteúdo apresentado, falamos sobre o que é JavaScript, abordando sua forma de funcionamento, esclarecendo as diferenças com Java e abordando a relação com outros pilares da programação. Falamos também a respeito das vantagens em utilizar o JavaScript, mostrando seus pontos fortes.

Espero que tenhamos ajudado e se ficar com qualquer dúvida, pode entrar em contato com a SOUZA Ferramentas Gerenciais que estaremos prontos para lhe atender.

Publicado em Deixe um comentário

DotNet framework. Conheça melhor essa ferramenta!

dotnet

Você sabe o que é dotNet? Também conhecido como .NET, trata-se de um framework criado pela Microsoft e voltado ao desenvolvimento web, com a possibilidade de reutilização e reaproveitamento de código como uma de suas principais facilidades oferecidas.

O .Net é uma tecnologia que representa uma inovação para o desenvolvimento de softwares. Assim como o TypeScript, é uma ferramenta que apresenta funcionalidades agregadoras e que impulsionam a produtividade dos programadores.

Para conhecer mais sobre o dotNet e compreender melhor sua função, objetivos, características e vantagens que tem a oferecer para o campo de programação e desenvolvimento, continue a leitura do artigo que preparamos e descubra!

Compreendendo o que é dotNet

Um dos maiores objetivos do dotNet é trazer um ambiente de desenvolvimento e execução de sistemas e aplicações unificado. A plataforma conta com recursos interessantes, como a conexão a bancos de dados, comunicações de redes e criptografia, por exemplo.

É possível dizer que odotNet consiste em um pacote repleto de soluções codificadas para problemas mais frequentes dentro da programação, uma vez que o framework suporta diversas linguagens de programação.

Por meio de um ambiente virtual controlado, o desenvolvedor passa a escrever os códigos para a plataforma, ao invés de escrevê-los para aplicações específicas. Dessa forma, o trabalho consegue atingir novos níveis de produtividade e eficiência.

Características do dotNet

O dotNet não é um sistema operacional e tampouco uma linguagem de programação. Por se tratar de uma plataforma de programação nova, fácil e abrangente, é difícil classificar o dotNet como uma só coisa. Por mais que não se caracterize como uma linguagem de programação, a plataforma faz a leitura de várias delas.

O dotNet framework Windows também fornece uma biblioteca de classes comuns. Dessa forma, o desenvolvedor não precisa aprender uma biblioteca nova cada vez que migrar para uma linguagem diferente.

Ao escrever e compilar o código em qualquer linguagem, ele será convertido para uma linguagem intermediária (Microsoft Intermediate Language, ou MSIL). Dessa forma, quando o dotNet é executado, a plataforma converte as chamadas das bibliotecas de classe correspondentes às APIs do sistema operacional.

Entre outras características interessantes da plataforma, podemos citar:

  • Se coloca como uma camada entre o sistema operacional e a linguagem de programação;
  • Faz a sincronização de dados entre usuários e dispositivos;
  • Conta com um armazenamento de informações centralizado e é capaz de criar módulos reutilizáveis;
  • Disponibiliza uma gama de dispositivos, que podem ser utilizados simultaneamente em um único ambiente de desenvolvimento web,
  • Prioriza a utilização de XML, ao invés do HTML, que amplifica a capacidade interativa de sites.

Vantagens oferecidas pelo dotNet

O Microsoft .Net framework é executado em CLR (Common Language Runtime) e oferece gerenciamento de memória, controle de exceção, interoperabilidade, manipulação de processamento paralelo e concorrente, e serviços de compilação para a arquitetura específica, por exemplo.

O dotNet é um framework de plataforma neutra. Portanto, ao escrever e executar um código em C# ou VB.NET, não ocorre nenhuma divergência em relação ao desempenho, de acordo com a linguagem escolhida para a escrita. Entre os benefícios mais expressivos do framework, podemos citar também:

  • Eficiência potencializada ao identificar e apontar erros, aplicando a correção e solucionando problemas;
  • Agilidade, trazendo rapidez e facilidade ao acesso de informações;
  • Flexibilidade, como já abordamos, a plataforma suporta várias linguagens de programação,
  • Performance incrementada devido ao gerenciamento de memória realizado pelo sistema operacional, ao invés de ser feito pelo aplicativo.

Conclusão

Neste conteúdo, falamos sobre o que é dotNet, explicando sua definição, passando por suas características e abordando também as principais vantagens oferecidas por essa plataforma open source.

Com um framework de desenvolvimento como esse, diversas atividades inerentes à programação já possuem um caminho preparado para o profissional, que pode focar seu tempo e energia, obtendo mais produtividade.

Espero que tenhamos ajudado e se ficar com qualquer dúvida, pode entrar em contato com a SOUZA Ferramentas Gerenciais que estaremos prontos para lhe atender.

Publicado em Deixe um comentário

Back-end e seu papel na programação!

back-end

Operações feitas através de um computador, desde as mais simples até as mais complexas, precisam de um direcionamento, determinando como essas funções se comportarão. Dessa maneira, criar essas instruções, testá-las e mantê-las ativas são tarefas realizadas por um programador back-end.

Conversar com alguém por meio de mensagens, baixar um conteúdo ou postar uma foto: seja o que for, o desenvolvimento back-end está sempre ali. Se você quer saber mais sobre essa parte da programação, continue acompanhando o artigo que preparamos e saiba mais!

O que é back-end?

Essa forma de desenvolvimento se relaciona com o que está por trás das aplicações desenvolvidas na programação. Ou seja, tudo que dá estrutura e apoio às ações do usuário da máquina é chamado de back-end.

Quando acessamos um site, por exemplo, por trás de toda sua apresentação amigável esteticamente, há uma comunicação das informações trocadas entre banco de dados e navegador. Portanto, por trás da interface gráfica do realizador, o back-end está sempre agindo.

Diferenças entre back-end e front-end

Enquanto os desenvolvimentos de front-end estão relacionados à área visual de aplicações, como design, forma da disposição de seções de texto e imagens, apresentação, linguagens HTML, CSS, cores e outros pontos; o desenvolvimento de back-end é tudo aquilo que possibilita o funcionamento.

Sendo assim, front-end e back-end estão bastante ligados, porém o segundo é voltado aos bancos de dados e servidores; responsável por atualizações, mudanças, segurança, gerenciamento de conteúdo, estrutura, etc. Se tomarmos o exemplo das redes sociais, seu funcionamento só é possível com um banco de dados que contenha informações como nome, data de nascimento, foto de perfil, e por aí vai.

O que o back-end engloba em seu universo?

As vertentes da programação podem se enveredar por diferentes caminhos. Ou seja, um software developer pode trabalhar na área de front-end ou back-end. Quando seu domínio atinge os dois lados, sua denominação passa a ser Full Stack.

Os pontos que estão ligados com sua forma de programação do back-end são:

Bancos de dados e servidores

Um servidor é o responsável por fornecer serviços aos computadores. Os bancos de dados, por sua vez, são como uma enorme fonte de informações, e é por meio deles que as aplicações se tornam dinâmicas.

Ao fazer uma pesquisa, o resultado é trazido de acordo com a busca no banco de dados. Podemos dizer então que esse centro de informações é acessado de maneira indireta, a partir de uma aplicação externa.

Segurança de dados

Em um momento que a transformação digital praticamente dita os processos dentro do mundo corporativo, dados são considerados um patrimônio de muito valor e são constantemente alvo de ataques.

Dessa maneira, ao programar em back-end, o desenvolvedor deve sempre seguir as melhores práticas, alinhadas a um padrão de segurança que seja confiável e resistente a invasões, principalmente referente a roubos de informações pessoais.

Linguagens de programação

O desenvolvimento da linguagem back-end passa por diversas etapas, desde o planejamento até a construção, a implantação e os cuidados com a manutenção da estrutura que suporta a aplicação.

Como o back-end é considerado o centro nervoso de qualquer site, suas tarefas podem até parecer menos palpável, uma vez que não se relacionam diretamente com a parte de design e jamais são vistas pelo usuário externo.

Portanto, é indicado conhecer linguagens de programação como Java, TypeScript, Node.js, PHP, Python, etc. Além disso, possíveis problemas devem ser antecipados e evitados antes mesmo que aconteçam.

APIs

A API é definida como uma interface que possibilita a comunicação entre sistemas com tecnologias distintas, por meio de uma linguagem que seja acessível a ambos os lados.

Dessa forma, as APIs conectam bancos de dados, aplicações, softwares e serviços. Consequentemente, isso exclui a necessidade de um formato de programação muito complexo.

Experiência e interface do usuário

Ao acessar um site, o usuário observa se ele é eficiente, intuitivo e fácil de ser utilizado. Sua experiência é extremamente importante para o bom desempenho das aplicações. Quando esse processo não encanta, a chance de alguém não retornar ao site é grande.

Quando falamos em plataformas de e-commerce, esse ponto é ainda mais delicado, pois o usuário quer pesquisar e fazer suas compras de maneira tranquila. Se requisitos básicos, como agilidade no carregamento, não forem atendidos, a insatisfação do cliente pode ser enorme.

O back-end é essencial na programação!

Neste conteúdo, trouxemos o conceito de back-end, explicando-o de uma forma simplificada e abordando as diferenças com o front-end e os tópicos que merecem atenção ao programar nessa categoria.

Espero que tenhamos ajudado e se ficar com qualquer dúvida, pode entrar em contato com a SOUZA Ferramentas Gerenciais que estaremos prontos para lhe atender.

Publicado em Deixe um comentário

Front-end e sua importância para o desenvolvimento?

front-end-1

Quando falamos sobre desenvolvimento de sistemas, sites, apps e outras plataformas, o front-end e o back-end são essenciais, se complementando como duas partes de um todo.

Essas duas linhas que fazem parte da programação de um site ou software são igualmente importantes para que o produto final tenha qualidade. Neste artigo, falaremos mais sobre a importância do front-end em programação e qual sua função.

O que é Front-end e como funciona?

O Front-end está muito relacionado com a interface gráfica do projeto. Ou seja, é onde se desenvolve a aplicação com a qual o usuário irá interagir diretamente, seja em softwares, sites, aplicativos, etc. Portanto, é essencial que o desenvolvedor tenha uma preocupação com a experiência do usuário.

Dev front-end é um termo muito utilizado para identificar profissionais que se especializaram especificamente nessa área. Além disso, apesar de envolver a interface do projeto, o programador front-end não é formado em design. A diferença entre os dois é que o desenvolvedor não desenha visualmente a interface.

Na verdade, no desenvolvimento front-end, o profissional irá mexer com o código em si, projetando com quais ferramentas o usuário irá interagir. Por esse motivo, é importante ter essa diferença em mente quando falamos sobre o assunto.

Qual a importância do desenvolvimento front-end?

Se um site ou sistema de gestão não é simples de entender ou não possui fácil usabilidade, então a aderência do usuário será menor. O papel do desenvolvimento front-end é facilitar a usabilidade e garantir que a ferramenta realmente funcione conforme o esperado.

Um site, por exemplo, pode perder tráfego orgânico se apresentar erros constantemente. Isso acontece pois as pessoas que visitam um site assim costumam perder a confiança na empresa que está por trás dele. Além disso, um site com erros constantes ou lentidão torna a navegação quase impossível.

Além disso, sites responsivos saem na frente por causa do constante aumento de tráfego vindo de dispositivos móveis. Portanto, ao utilizar linguagens front-end, é preciso ter essa questão em mente. O problema de usabilidade ruim se aplica também a softwares, afinal, é preciso que o usuário consiga entender como a ferramenta opera.

Diferença entre front-end e back-end

Nem sempre a diferença entre front-end e back-end é muito clara. Trata-se de um assunto mais complexo, porém é essencial entender pelo menos as diferenças básicas entre os dois.

Podemos classificar como back-end tudo o que envolve como o projeto funciona, seja ele um site ou sistema. Ou seja, tudo o que o usuário não pode ver, como o banco de dados e também os servidores. Aqui também é onde entra a segurança, estrutura e gerenciamento de conteúdo.

O back-end é essencial para que tudo funcione bem e cumpra com a proposta do projeto. Um exemplo disso é um site dinâmico, que atualiza em tempo real com novas informações, como, por exemplo, um site de notícias. É preciso que seu banco de dados funcione corretamente para que o site não apresente problemas técnicos.

Já o front-end, como comentamos antes, é a conexão entre as funcionalidades de um sistema ou site com o usuário. Portanto, os dois são igualmente essenciais para que o produto funcione bem de modo geral e seja bem aceito pelos clientes.

Por que o front-end deve ser valorizado?

Agora que você entende mais sobre a importância do front-end, veja a seguir os motivos pelos quais ele deve ser valorizado pelas empresas e pelos desenvolvedores:

Aparência

A aparência de um site, sistema ou outro projeto do tipo é um dos fatores marcantes para o usuário, podendo ser também um dos motivos que os levam a desistir de utilizá-lo. Portanto, é importante que isso seja levando em conta no momento de desenvolver um app, site ou software.

Objetivo da empresa

Outro fator importante que deve ser levado em conta no desenvolvimento front-end é o objetivo da empresa com aquele produto. No caso de um site, por exemplo, é preciso pensar sobre a mensagem que a companhia pretende passar ao usuário e quais suas expectativas em relação àquela página.

Segurança de usabilidade

O front-end também é muito importante para que o usuário tenha segurança ao utilizar a ferramenta. Assim, a empresa constrói uma relação de confiança com ele e passa uma boa imagem. Se por acaso essa confiança for quebrada, a companhia pode acabar perdendo credibilidade.

Espero que tenhamos ajudado e se ficar com qualquer dúvida, pode entrar em contato com a SOUZA Ferramentas Gerenciais que estaremos prontos para lhe atender.

Publicado em Deixe um comentário

Desenvolvimento web

Desenvolvimento web

O que é desenvolvimento web?

Desenvolvimento web é o termo utilizado para descrever o desenvolvimento de sites, na Internet ou numa intranet. O profissional que trabalha desenvolvendo websites pode ser um web designer (desenvolvedor do layout) ou um web developer (desenvolvedor de sistemas).

O desenvolvimento refere-se a um processo de construção e testes do software especifico para a web, com a finalidade de se obter um conjunto de programas, que satisfazem as funções pretendidas, quer em termos de usabilidade dos usuários ou compatibilidade com outros programas existentes.

O desenvolvimento web pode variar desde simples páginas estáticas a aplicações ricas, comércios eletrônicos ou redes sociais.

Áreas de atuação

Front-end

O desenvolvimento front-end da web é a prática de converter dados em uma interface gráfica, por meio do uso de HTML, CSS e JavaScript, para que os usuários possam visualizar e interagir com esses dados. Existem várias ferramentas e plataformas, como WordPress , Joomla e Drupal , disponíveis que podem ser usadas para desenvolver o front-end de um site, e entender quais ferramentas são mais adequadas para tarefas específicas marca a diferença entre desenvolver um site hackeado e um site bem projetado e escalável.

Hyper Text Markup Language

Hyper Text Markup Language (HTML) é a espinha dorsal de qualquer processo de desenvolvimento de website, sem o qual uma página da web não existe.

Hipertexto significa que o texto possui links, chamados de hiperlinks, embutidos nele. Quando um usuário clica em uma palavra ou frase que tem um hiperlink, ele traz outra página da web.

Uma linguagem de marcação indica que o texto pode ser transformado em imagens, tabelas, links e outras representações. É o código HTML que fornece uma estrutura geral de como o site ficará.

HTML foi desenvolvido por Tim Berners-Lee. A última versão do HTML é chamada de HTML5 e foi publicada em 28 de outubro de 2014 por recomendação W3. Esta versão contém maneiras novas e eficientes de lidar com elementos como arquivos de vídeo e áudio.

Cascading Style Sheets (CSS)

Cascading Style Sheets (CSS) controla o aspecto da apresentação do site e permite que seu site tenha sua própria aparência exclusiva. Ele faz isso mantendo as folhas de estilo que seguem outras regras de estilo e são acionadas com base em outras entradas, como o tamanho da tela do dispositivo e a resolução.

JavaScript

JavaScript é uma linguagem de programação imperativa baseada em eventos (em oposição ao modelo de linguagem declarativa do HTML ) que é usada para transformar uma página HTML estática em uma interface dinâmica.

O código JavaScript pode usar o Document Object Model (DOM), fornecido pelo padrão HTML, para manipular uma página da web em resposta a eventos, como entrada do usuário. Usando uma técnica chamada AJAX, o código JavaScript também pode recuperar ativamente conteúdo da web (independentemente da recuperação da página HTML original) e também reagir a eventos do lado do servidor, adicionando uma natureza verdadeiramente dinâmica à experiência da página da web.

WebAssembly

WebAssembly, suportado por todos os principais navegadores (ou seja, dos principais fornecedores Google, Apple, Mozilla e Microsoft), é a única alternativa ao JavaScript para a execução de código em navegadores da web. Antes de sua adoção, havia o asm.js (um subconjunto do JavaScript), que também é usado como um alvo de compilador com suporte eficiente em navegadores como o Internet Explorer 11; e para navegadores que não suportam WebAssembly diretamente, ele pode ser compilado para asm.js e os navegadores suportados dessa forma. Em geral, os programadores não programam em WebAssembly (ou asm.js) diretamente, mas usam linguagens como Rust, C ou C ++ ou, em teoria, qualquer linguagem que seja compilada para ele.

Back-end

Essa forma de desenvolvimento se relaciona com o que está por trás das aplicações desenvolvidas na programação. Ou seja, tudo que dá estrutura e apoio às ações do usuário da máquina é chamado de back-end.

Quando acessamos um site, por exemplo, por trás de toda sua apresentação amigável esteticamente, há uma comunicação das informações trocadas entre banco de dados e navegador. Portanto, por trás da interface gráfica do realizador, o back-end está sempre agindo.

Enquanto os desenvolvimentos de front-end estão relacionados à área visual de aplicações, como design, forma da disposição de seções de texto e imagens, apresentação, linguagens HTML, CSS, cores e outros pontos; o desenvolvimento de back-end é tudo aquilo que possibilita o funcionamento.

Sendo assim, front-end e back-end estão bastante ligados, porém o segundo é voltado aos bancos de dados e servidores; responsável por atualizações, mudanças, segurança, gerenciamento de conteúdo, estrutura, etc. Se tomarmos o exemplo das redes sociais, seu funcionamento só é possível com um banco de dados que contenha informações como nome, data de nascimento, foto de perfil, e por aí vai.

As vertentes da programação podem se enveredar por diferentes caminhos. Ou seja, um software developer pode trabalhar na área de front-end ou back-end. Quando seu domínio atinge os dois lados, sua denominação passa a ser Full Stack.

O desenvolvimento da linguagem back-end passa por diversas etapas, desde o planejamento até a construção, a implantação e os cuidados com a manutenção da estrutura que suporta a aplicação.

Como o back-end é considerado o centro nervoso de qualquer site, suas tarefas podem até parecer menos palpável, uma vez que não se relacionam diretamente com a parte de design e jamais são vistas pelo usuário externo. Portanto, é indicado conhecer linguagens de programação como Java, TypeScript, Node.js, PHP, Python, etc. Além disso, possíveis problemas devem ser antecipados e evitados antes mesmo que aconteçam.

Bancos de dados e servidores

Um servidor é o responsável por fornecer serviços aos computadores. Os bancos de dados, por sua vez, são como uma enorme fonte de informações, e é por meio deles que as aplicações se tornam dinâmicas. Ao fazer uma pesquisa, o resultado é trazido de acordo com a busca no banco de dados. Podemos dizer então que esse centro de informações é acessado de maneira indireta, a partir de uma aplicação externa.

Segurança de dados

Em um momento que a transformação digital praticamente dita os processos dentro do mundo corporativo, dados são considerados um patrimônio de muito valor e são constantemente alvo de ataques.

Dessa maneira, ao programar em back-end, o desenvolvedor deve sempre seguir as melhores práticas, alinhadas a um padrão de segurança que seja confiável e resistente a invasões, principalmente referente a roubos de informações pessoais.